Projeto Rondon

 

O arquivo é formado por 1659 documentos. Trata-se de telegramas, ofícios, cronogramas de reuniões e de partidas, listas de normas para consecução de estágios, convites, circulares, cartas, declarações, solicitações, listagens de disciplinas, carga horária, etc.

Os esforços para integração nacional que, na década de 1960, permitiram o lançamento da operação "Amazônia" e a criação da SUDAM, dos incentivos fiscais, dos programas regionais e setoriais de desenvolvimento e, em 1970, a implantação do Programa de Integração Nacional, foi também o que propiciou a emergência do Projeto Rondon.

ele foi assim batizado inspirando-se na figura do Marechal Rondon. Decendente de índios, Rondon tinha idéias humanistas que fizeram-no optar por atividades sertanistas sendo considerado, pelos organizadores do Projeto, como o pioneiro da integração nacional. O lema do projeto Rondon foi "Integrar para não entregar".

Os documentos do projeto que estão sob guarda do Centro de Memória da Educação FEUSP relacionam-se às atividades desenvolvidas no Campus Avançado da USP na cidade de Marabá no Pará. Referem-se ao período de 1971 a 1985.

O Campus da USP começou a funcionar em uma casa particular, na área central da velha Marabá, trecho em que a rua ladeava o Rio Tocantins. Em 1972, a prefeitura construiu, ao lado, uma outra dependência, destinada a servir de escritório e residência dos diretores do Campus.

esta duas edificações funcionaram por dez anos como refeitório, dormitório, sala de estudos, biblioteca, etc. para as equipes integradas por professores e alunos da USP que permaneciam - em sistema de rodízio - por trinta dias em Marabá.

Em 1982, foi construída a sede própria do campus com recursos da Fundação Projeto Rondon em um terreno com área de cinco hectares.

A documentação do projeto Rondon foi doada pela Biblioteca da Feusp e fazia parte do Projeto Memória Educacional da FEUSP.

Localização:PRo
Documentação em bom estado de conservação
Em fase de organização
Disponível para consulta in loco.